Precisamos falar sobre o puerpério

Olá, é a primeira vez que nos encontramos por aqui, então deixa eu me apresentar. Meu nome é Francine Lopes, tenho 27 anos, sou jornalista e mãe do Vitor de dois anos. Com o tempo vamos nos conhecer mais, será um prazer.

A intenção de usar esse espaço aqui no Quase Famosas é falar a real sobre maternidade. O que vemos nas nossas redes sociais são fotos, lindas, de amigos e familiares com seus bebês, ou quando encontramos alguém com criança está tudo bem, mas o dia a dia não é feito só desses momentos, pode apostar!

Muitas das coisas que passei e ainda vou passar na maternidade, gostaria que tivessem me falado. Por exemplo, que não é só o nosso sono que passa a ser cronometrado, mas as refeições, o banho, a troca de roupa… tudo, pelo menos até os 60 dias de vida do baby, tem o tempo determinado pelo neném. Não que isso seja ruim, é apenas questão de adaptação, uma difícil adaptação, confesso. Porém, não há nada mais recompensador que ser mãe.

Enfim, o primeiro tema que quero falar é sobre o puerpério, que no dicionário vem descrito como “período que decorre desde o parto até que os órgãos genitais e o estado geral da mulher voltem às condições anteriores à gestação”. Ou seja, o pós-parto. Nesse momento o corpo da mulher passa por mudanças físicas e psíquicas, por isso requer uma atenção muito especial.

Uns dois meses antes dele nascer, uma amiga minha, de quase 20 anos de amizade, me disse que depois do nascimento do bebê alguns sentimentos meus poderiam não corresponder às expectativas. Porém, ela me deixou claro que só entenderia quando acontecesse, mas que era importante saber disso.

Ainda na maternidade, com dificuldade de fazer com que o Vitor pegasse o peito para mamar, ele precisou tomar um complemento para não perder peso, e foi só a enfermeira falar isso e pronto: desabei a chorar. Me senti culpada por não conseguir alimentar meu próprio filho e meu marido me abraçou tentando me consolar, pois a culpa não era minha, afinal nosso filho tinha só um dia de vida e estávamos nos conhecendo. No terceiro dia, quando ganhamos alta da maternidade, graças a minha queridíssima medica comecei a entender o que estava acontecendo. Ela disse que eu poderia sentir uma melancolia, vontade de chorar sem motivo, mas que tudo isso era normal durante alguns dias pois, durante a gestação, a placenta é responsável por produzir nossos hormônios e após o parto, com a retirada da placenta, nosso corpo fica sem produção de hormônios por alguns dias, o que acaba nos deixando mais sensíveis. Há mulheres, inclusive, que não sentem aquele amor imediato pelo filho e por isso se frustram, ou se sentem mal, mas pode acontecer nesse período.

Em casa, fiquei mais uns quinze dias sentindo essa vontade de chorar sem motivo. No começo meu marido ficou preocupado, mas foi passando e hoje damos risada juntos dos motivos pelos quais eu chorava. Lembro que era só minha mãe me perguntar se estava tudo bem que eu desabava a chorar, mas estava tudo bem haha.

Em resumo, os primeiros dias pareciam uma eternidade, porque meu filho chorava e eu ainda não sabia o que ele queria, minha rotina do dia para a noite mudou e tudo isso mexe com a gente, mas passa, é apenas uma fase. Para algumas mulheres é mais complicado, existem casos de depressão (de verdade) pós-parto, que às vezes é confundido com o puerpério. Depressão é uma coisa, é doença, é sério. O puerpério é outra, é uma fase delicada e que vai passar, tem que passar.

O mais importante de tudo é que nós precisamos falar mais sobre isso. Quem já é mãe, precisa falar como é, e quem não tem filho também pode falar o que sabe sobre o assunto. Os homens, seja o pai ou não, precisam compreender, respeitar e acolher essa mulher.  Empatia nunca é demais.

 

Veja o trailer do documentário inspirado no projeto “Chega de Fiu Fiu”

As meninas da ONG Think Olga criaram, em 2013, uma campanha para relatar os assédios sofridos diariamente pelas mulheres na rua. Agora, o projeto ganhou mais uma etapa em forma de documentário.

O filme é focado na apresentação de relatos de assédios contados por diversas brasileiras, que confessam quais são as adversidades enfrentadas devido ao medo constante e diário.

Assista ao trailer:

O documentário “Chega de Fiu Fiu” foi produzido com a ajuda da ferramenta de financiamento coletivo “Catarse” e deve servir de material educativo para ser exibido em escolas e órgãos públicos.

Cinco músicas pop das antigas que enaltecem o feminismo

Antes mesmo da internet se tornar popular e estar presente em todas casas, a gente dançava em cima do sofá ao som de clássicos do pop/rock assistindo MTV e Multishow, e ouvindo Jovem Pan. Muitas das músicas acabaram sendo esquecidas com o tempo, mas fazendo um esforcinho na memória, conseguimos lembrar e cantarolar com elas.

Geralmente não temos o costume de prestar muita atenção nas letras, principalmente em canções estrangeiras. Já deve ter acontecido com você: ouvir uma música que marcou sua adolescência e ficar em choque por não ter entendido a letra na época e agora perceber o quão significativas elas são.

Pensando nisso, resolvemos juntar cinco músicas que marcaram os anos 90 e 00 no mundo pop para a gente relembrar e analisar as letras.

1 – Christina Aguilera – Can’t Hold Us Down

Na sua melhor fase, Christina Aguilera quebra os padrões de “mocinha do pop” para lançar um álbum que deixa explícito o que, na verdade, todos os álbuns pop femininos tinham vontade de fazer, mas faziam de maneira subentendida: explorar a sexualidade, questionar o abuso, problemas de autoestima, entre outros. “Can’t Hold Us Down” questiona a fragilidade masculina e o motivo pelo qual as mulheres são constantemente julgadas.

“Então eu não posso ter uma opinião?
Devo ficar calada só porque sou uma mulher?
Me chama de vaca porque eu falo o que está na minha cabeça.
Fica mais fácil pra você quando eu só sento e sorrio?”

Tradução completa aqui.

2 – No Doubt – Just a Girl

Gwen Stefani usa “Just a Girl” para ironizar o patriarcado que diz o que ela deve ou não deve fazer, porque ela é “apenas uma garota pequena e bonita”.

Porque eu sou apenas uma garota, preferiria não ser
Porque eles não me deixam dirigir tarde da noite
Eu sou apenas uma garoa
Acho que sou algum tipo de louca
Porque eles ficam sentados me encarando com aquele olhar

Tradução completa aqui.

3 – Destiny’s Child – Independent Woman Part 1

O nome da música é autoexplicativo, mas a letra é muito mais que isso. Antes mesmo de a Beyoncé se tornar um ícone do empoderamento, a música tema de Charlie’s Angels já nos dava uma lição: “Eu dependo de mim”.

Diga como você se sente sobre isso
Faço o que eu quero, vivo como eu quero viver
Eu trabalhei duro e me sacrifiquei para conseguir o que consegui
Mulheres, não é nada fácil ser independente

Tradução completa aqui.

4 – TLC – Unpretty

“Unpretty” não é declaradamente uma música feminista, mas aborda questões que assombram as mulheres desde cedo: o padrão da beleza. Desde crianças ouvimos como devemos agir, como se comportar e como o nosso corpo deve ser, pois “homem não gosta de mulher assim”.

Mas se você não consegue olhar para dentro de si mesmo
Descubra quem eu sou
Para estar na posição de me fazer sentir
Estupidamente feia

Tradução completa aqui.

5 – Beyoncé – If I were a Boy

A música fala sobre a maneira na qual as mulheres são tratadas pelo parceiro, invertendo os papéis. “If I Were a Boy” deixa o questionamento de que as atitudes masculinas são “normais” e que se fôssemos homens, talvez entenderíamos. Beyoncé canta que ela faria questão de entender o outro lado, respeitaria e valorizaria, porém, eles são “apenas garotos”.

Se eu fosse um garoto
Eu desligaria meu telefone
Diria a todos que ele está quebrado
Então eles iriam pensar que eu estava dormindo sozinho
Me colocaria em primeiro lugar
E faria as regras pra seguir
Porque sei que ela seria fiel
Esperando que eu volte pra casa

Tradução completa aqui.

Precisamos falar sobre 2016

Eu ando com dó da pessoa que vai ter que editar a retrospectiva do ano 2016. Mas também não sei o que a gente esperava de um ano que mal começou e já morreu ninguém menos do que o David Bowie. Depois disso a coisa toda foi meio que ladeira abaixo.

Eu também imagino que vai ser uma loucura ensinar História Contemporânea do Brasil daqui alguns anos, especialmente no que diz respeito à política. Em 2016 a gente viveu um golpe de Estado e, se por algum motivo você ainda acha que não foi, é preciso ler mais sobre esse assunto. E eu digo ler de verdade e não se informar por páginas tendenciosas do Facebook e nem acreditar em tudo que mandam para você no grupo da família no Whatsapp. Mas tudo bem, quem não está confuso esse ano, não está mesmo bem informado.

Nesse ano também senti que a intolerância das pessoas se agravou, parece que ao invés de evoluirmos, estamos em marcha ré com destino para 1964 – e me refiro não apenas ao cenário político do Brasil e do mundo, mas também a questões sociais e econômicas. Parece que, em 2016, o mundo inteiro pendeu mais para o lado direito e não consigo ressaltar o quanto isso me preocupa. Mas chega de política, tenho certeza que todo mundo vai ter um final de ano agitado nas discussões familiares no meio da ceia.

O mundo presenciou também tragédias que mudaram o curso da história, mas que tragédia também não muda tudo? Mesmo os pequenos desastres pessoais são capazes de mudar o presente e o futuro. A única coisa que a gente não consegue mudar mesmo é o tal do passado. Seja como for, não foi um ano fácil pra ninguém. Lidamos com metade do globo em crise econômica, política, social ou, em alguns muitos casos, todas as alternativas juntas. A crise dos refugiados na Europa mostrou que a humanidade sabe ser muito cruel, mesmo com quem já vive um verdadeiro terror em seus países de origem. Claro, nem sempre é tudo horrível, mesmo com esse cenário tenebroso, muita gente foi capaz de mostrar que dá pra manter um pouquinho de fé na humanidade.

No quesito amor, senti que esse ano acumulou mais um tanto de decepções e não digo isso apenas de mim mesma, eu escutei muita gente contar não tem sido fácil amar. Como é que pode ser difícil amar, não é? Um dos sentimentos mais primitivos do ser humano e ainda assim, em 2016, amar foi sofrido. Uma geração inteira de pessoas com traumas, dificuldades em demonstrar sentimentos e um talento em não conseguir dizer a verdade. Ouvi, vezes por demais, pessoas reclamando que tem muita gente por aí que não tem o menor respeito pelo sentimento alheio.

Aprendi que nem sempre que alguém diz que gosta de você e até mesmo que gostaria de estar contigo, quer mesmo dizer isso – muitas vezes essa pessoa em questão só precisa de você ali porque sabe o quanto você gosta dela e precisa que você fique por perto, mas não muito, apenas para inflar o ego dela. E isso é triste demais.

Pessoalmente, eu senti que esse foi um ano em que todo mundo se permitiu ser mais egoísta e egocêntrico, em todo tipo de situação. Na política, especialmente do Brasil e dos Estados Unidos, a maioria tomou decisões pensando apenas no próprio umbigo, pensando somente naquilo que traria benefícios próprios. Na Europa, as pessoas que se opuseram a receber refugiados também foram muito egoístas e, ironicamente, o continente deles foi historicamente o que mais enviou refugiados pós-guerra para países do mundo todo.

Quando o assunto foi a descriminalização do aborto colocaram uma bancada evangélica, composta por homens, para decidir. E quando ficou decidido que abortar até os primeiros 3 meses de gestação não seria crime, um pessoal lá do Facebook lançou a campanha “hoje tenho x anos, mas já tive 3 meses #movimentoprovida” e esqueceu que descriminalizar o aborto não é sobre eles ou o que eles acham e sim sobre a vida de milhares de mulheres que correm risco de morrer todos os dias em clínicas e métodos clandestinos e que essa decisão pertence a elas e somente a elas.

A questão toda de pensar apenas em você mesmo afeta todo e qualquer tipo de relação humana, muda completamente a forma como sentimos e nos permitimos sentir. Seja entre amigos, em um relacionamento amoroso, na família e com pessoas que você nem conhece, se você não consegue pensar nas suas atitudes e no que elas podem resultar, tanto para você quanto para o resto do mundo, a coisa toda complica. A minha retrospectiva desse ano que pesou muito é de que as coisas seriam muito melhores se a gente não olhasse somente pro nosso umbigo, não importa o quão bonitinho ele possa ser.

tumblr_of6d4fnlcz1sxyrnzo1_500

O ano da saudade

A gente sempre brinca que o ano tá péssimo porque, convenhamos, é mais fácil sofrer coletivamente e chega a ficar engraçado o tanto de postagem sobre. Mas confesso que 2016 foi um ano denso, pesado e difícil demais. Tão difícil que me senti obrigada a colocar isso para fora.

É tão estranho porque eu mal vi o ano passar, mas ao mesmo tempo me peguei chocada ao perceber que já estamos em novembro. É isso, menos de dois meses da data de hoje e já vai ser 2017. E ao mesmo tempo que dá um alívio que esse ano vai terminar, bate um desespero de que o próximo seja ainda mais complicado.

Assim como eu gosto muito de montar a playlist com as melhores músicas do ano e também criar listas e mais listas contendo os melhores filmes e livros, também gosto de pensar que cada ano que passa meio que tem um tema, que ninguém definiu, apenas que se repetiu ao longo de 365 dias. 2015, por exemplo, foi um ano em que eu precisei ser absurdamente forte por uma série de razões, mas especialmente de saúde. E eu fui, cara, como eu fui. Mas eu fui tão forte que parece que esgotei a barrinha de energia e agora me sinto desmontando, aos poucos.

Se ano passado foi o ano da força, 2016 é o ano da saudade, definitivamente. Acho que nos meus 28 anos eu nunca senti tanta saudade de tanta gente ao mesmo tempo.

Eu odeio sentir saudade porque, em alguns casos, simplesmente não tem o que possa ser feito a respeito – tem vezes que a pessoa foi embora pra sempre e você nem teve a chance de se despedir. É uma saudade que não vai passar porque não existe forma de resolver isso.

giphy

Tem outras em que a pessoa sumiu, desapareceu da sua vida depois de fazer parte da sua rotina diária, mas não está a muitos quilômetros de distância de você e o coração aperta porque parece tão fácil de se resolver, mas, ao mesmo tempo, não depende só de você.

Em 2016 eu perdi muito e muita gente que, honestamente, deixou um vazio dentro do peito. Teve dias em que me peguei chorando de desespero no chão do quarto, pensando comigo mesma que era isso, não tinha mais como sofrer porque tudo de ruim já havia acontecido e eu estava: errada. É claro que eu estava errada.

tumblr_of6d8gxmnk1sxyrnzo1_500

E hoje eu percebi que tinha outra saudade dentro de mim. Acordei mas não senti vontade de levantar da cama. Olhei para as sombras da luz do dia que dançavam soltas no teto do quarto e senti uma saudade enorme. Tentei entender de quem eu estava sentindo falta assim. Não era da minha avó que foi embora antes que eu pudesse dar um abraço apertado – e disso vou me arrepender pro resto da vida. Não era do cara que ocupou o meu coração esse ano quase inteiro e que havia sumido do dia pra noite da minha vida. Não era do amigo que tá do outro lado do mundo, incomunicável e sabe-se lá até quando. Não, dessas pessoas e de mais um monte de gente, sinto falta 24 horas por dia. Dessa vez, eu estava sentindo falta de mim mesma.

Parece completamente ilógico sentir falta de você mesmo, eu sei. Mas foram tantas perdas e desencontros em tão pouco tempo que acabei me perdendo também. Sinto que ando uma companhia difícil de lidar porque parece que apagaram a luz aqui dentro, mas quem me conhece sabe: eu vou sair dessa. Enquanto isso sigo sentindo uma saudade que mal cabe dentro de mim.

Pela paciência e compreensão, eu agradeço e muito.

tumblr_og167p3uax1sxyrnzo1_500

You should go and love yourself

Eu não lembro da primeira vez que alguém me disse que eu era feia. Não lembro também da primeira vez em que me senti feia. Desde que me entendo por gente eu tive essa sensação de me sentir inadequada, inferior.  E ter sido uma criança gorda, claro, contribuiu muito para que isso acontecesse.

Antes dos dez anos eu já tinha conhecido o Vigilantes do Peso. Lembro nitidamente de quando minha mãe me levou para o nutricionista e ele usou a expressão obesidade infantil para descrever meu caso. Em uma sociedade que considera gordos repugnantes, eu voltei para casa e só conseguia sentir ódio de tudo aquilo que eu era.

Desde muito pequena fiz dieta. Ouvia insultos das meninas mais velhas na aula de jazz e me perguntava o que tinha de tão errado comigo para ter nascido nesse corpo tão nojento. Queria ser como a menina magra, branca, de olhos azuis que todos os alunos e professores elogiavam. A mim restavam duas opções: ser odiada ou ser ignorada. Comecei a me esforçar para estar sempre na segunda categoria.

14264988_1084189574964301_6963780281538890516_n

Já tentei passar o dia inteiro sem comer e me odiei quando não consegui. Já tentei forçar o vomito depois de comer o que as pessoas chamam de “gordice”, afinal a palavra gorda está sempre associada a coisas ruins, nojentas, repugnantes. Já tomei laxante pra tentar emagrecer. Já tomei água até quase vomitar para tentar enganar a fome. Já dormi rezando para que minha alma fosse magicamente parar em um corpo que fosse amado.

Quando eu tirei o siso e passei alguns dias em uma dieta líquida, emagreci. “Como você tá linda!’, me falaram no colégio. “Tirar o siso te fez bem”, elogiaram meus familiares. E assim eu entendi que eu poderia continuar comendo pouco até ficar mais e mais magra. Era ano de vestibular, eu tinha terminado um namoro e acordava triste todos os dias.

A cada quilo a menos eu me tornava mais interessante para as pessoas ao meu redor. Meninos que nunca olharam para mim começaram a me notar, as meninas populares passaram a me tratar com respeito. Eu passei a viver de sopa de pacote, alface e peito de frango. Se algum dia me descontrolava, tentava vomitar mesmo sem conseguir. Me odiava por não conseguir. Fazia abdominais até a exaustão, ocupando o tempo em que deveria estar estudando.

Cheguei aos 48kg me sentindo gorda. A barriga ainda estava lá, os meus peitos viraram duas azeitonas, mas meus ossos apareciam cada vez mais e todo mundo me elogiava. Era assim que eu iria conseguir ser aceita? Então valia o sacrifício.

14095953_1070849909631601_9116327375689174467_n

Um dia eu estava saindo do banho e minha mãe me viu nua. Ela viu minhas costelas aparecendo entre os meus seios e começou a chorar. Tinha algo de errado comigo, ela me disse, mas eu tinha certeza que ela estava louca. Afinal de contas, não era o que ela e todo mundo queria? Desde a primeira vez que eu fui pro Vigilantes do Peso, desde a minha primeira dieta dos pontos, o objetivo não era ser o mais magra possível?

Cheguei à conclusão que todo mundo estava contra mim, eram todos invejosos que fingiam que queriam o meu bem, mas na verdade queriam ter a minha magreza. No dia seguinte, minha mãe chegou do trabalho com uma pizza, um bolo e um brownie e insistiu para que eu comesse. Eu chorei imaginando que eu iria perder tudo aquilo que tinha conquistado a duras penas. Era 2009.

No ano seguinte, eu comecei a cursar Jornalismo. Entre festas, baladas e churrascos, eu fui redescobrindo a minha paixão por comida. Sentia ânsias incontroláveis de comer tudo que houvesse na minha frente (escondida, é claro): leite condensado, pacotes de bolacha, o que tivesse na frente eu comia escondida no quarto. Me sentia culpada, tentava vomitar, não conseguia. Me odiava. Engordei tudo o que tinha emagrecido e mais um pouco em dois ou três meses.

13726836_1041174655932460_4213553189454123036_n

Pula para 2016. Eu nunca vi um número tão alto na balança. Minha mãe não está viva, cozinhar virou uma das minhas paixões e eu não sei mais o que é me privar de fazer algo que eu amo para ver um número diferente em um aparelho. Eu ainda me incomodo quando minhas amigas magras falam que elas estão gordas e, portanto, feias, porque eu sei que elas devem me achar feia por ser gorda.

E depois de muito sofrer por causa do meu peso, depois me odiar todos os dias, eu estou, aos poucos, encontrando paz com quem eu sou. Sou mais consciente do meu corpo, consigo valorizar os detalhes que fazem com que eu seja única, aprendi que o meu valor não está em peso, em comidas, em dietas. Está em camadas mais profundas, que nem todo mundo consegue perceber. Mas eu percebo.

Aprendi que comida não é inimiga, não é a solução dos meus problemas, não é companhia para afogar as mágoas. É algo que deve fazer bem para o meu corpo, me dar prazer, mas de uma maneira saudável. Comida não pode ser recompensa ou punição. 

Claro que nem todo dia é uma maravilha, nem todos os dias eu me sinto bem. Mas cada segundo que eu me sinto bonita é um passo a mais para me desvencilhar de uma doença que me causou muito sofrimento e para combater esse controle doentio que a sociedade exerce sobre os nossos corpos.

QF Indica #02

Olá, gente bonita! Estou aqui mais uma vez para deixar algumas dicas de coisas interessantes que eu li, ouvi, comprei ou sei lá o que e acho que pode ser interessante para vocês também. E, claro, não deixem de dizer nos comentários a sugestão de vocês – eu sempre estou caçando livros, músicas, filmes e séries novos pra conhecer.

Joanne

98788a53cc204345451d240105c16ebf

 

Teria como começar de outro jeito? Nunca fui ultra fã da Lady Gaga, mas gostava dos primeiros discos. O Artpop não ouvi até hoje, confesso, mas fiquei curiosa pra ouvir Joanne quando li que o Kevin Parker (do Tame Impala) e o Mark Ronson estavam envolvidos na produção.

Apesar de ter achado Perfect Illusion meio boring, adorei muito o resto do álbum (que só será lançado oficialmente dia 21, então ainda não está no Spotify) e o meu destaque vai pra Hey girl, uma parceria maravilhosa com a Florence Welch. Mas não vá esperando o pop farofa de ralar a bunda no chão! Apesar de algumas músicas serem dançantes, a Gaga pegou referências mais country para criar Joanne.

Aqui no Papel Pop tem as primeiras impressões do Phelipe Cruz sobre o álbum, vale a leitura!

Um milkshake chamado Wanda

photo

Falando em Papel Pop e Phelipe Cruz, um das coisas mais legais que eu descobri em 2016 foi o podcast do site. Quem não tem o hábito de escutar podcasts e/ou não sabe o que é, explico: podcast é tipo um programa de rádio, geralmente cada programa tem um tema, os quadros fixos e tudo o mais. É perfeito pra ouvir enquanto você faz tarefas mecânicas, tipo dentro do ônibus, lavando louça ou até mesmo trabalhando (mas aí vai depender da sua capacidade de executar bem as duas tarefas!).

O podcast da Wanda é pra quem curte cultura pop, fofocas de celebridades e essas coisas que permeiam o mundo do Papel Pop, mas o meu quadro favorito é o “Me ajuda, Wanda”, quando eles leem e-mails de ouvintes pedindo pitaco na vida pessoal deles. É muito engraçado, sério!

Esse post do GWS também fala de outros podcasts que valem a pena conhecer. 

The OC

8dd782f5

 

“Ai, Mariana, mas essa série já tem uns trocentos anos”. Eu sei, eu sei, mas agora ela entrou na Netflix! Eu já vi The OC várias vezes e todas elas são maravilhosas! E, se você ainda não assistiu, tá aí a oportunidade de ver uma das séries adolescentes que mais marcou os anos 2000.

O principal motivo para você ver The OC é a trilha sonora: puta que o pariu quanta música boa. Conheci várias bandas (entre elas The Killers e Death Cab for Cutie) por causa da série, que a partir da segunda temporada começa a narrar uma história que se passa em uma casa de shows. Além disso, é muito engraçado ver como as roupas que as meninas ricas usavam na época hoje em dia seriam muito cafonas (tipo as bolsinhas minúsculas da Louis Vuitton e os casaquinhos da Juicy).

As quatro temporadas já estão na Netflix. Boa maratona! 

Quadrilogia Napolitana

a_amiga_genial__-_ferrante_2015_ok

Não tenho palavras pra descrever o meu amor por essa série de livros! Escrito pela Elena Ferrante, ela conta a história da amigas Lena e Lila, que se conheceram bem pequenas em uma vizinhança pobre de Nápoles, na década de 1950. O primeiro, “A Amiga Genial”, começa quando Lena, já adulta, recebe uma ligação do filho de Lila dizendo que a mãe desapareceu e levou embora qualquer vestígio da própria existência – fotos, roupas, objetos.

Então, Lena começa a narrar toda a história de vida delas com o objetivo de documentar a existência de Lila. O primeiro livro é focado na infância e no início da adolescência das duas e atualmente eu estou lendo “História do Novo Sobrenome”, a continuação de “A Amiga Genial”. Até o final do ano é para sair o terceiro volume da série e eu mal posso esperar para ler!

Também vale a pena ler um pouco sobre a polêmica decisão da autora em manter o anonimato. 

QF Indica #01

Hoje é dia de testar o mais novíssima sessão do Quase Famosas: QF indica. Aqui, nós basicamente vamos fazer um amontado de dicas de coisas que a gente leu, ouviu, viu, comprou, testou e gostou. Por ser algo novo aqui no blog, o feedback de vocês é muito importante! Vamos lá?

DePretas

Esses dias mesmo indiquei por aqui algumas youtubers maravilhosas, mas hoje conheci uma que ficou fora da lista: a Gabi Oliveira. Ela fala sobre temas sérios, especialmente sobre racismo, mas o jeitinho dela é tão especial e incrível que você fica no maior alto astral só de ouvir ela falando. E, melhor de tudo, falando coisas bem relevantes. Vá agora pro canal dela! (Mentira, termina de ler o post antes, mas depois vá lá)

Blonde, do Frank Ocean

Quem já era fã do Frank Ocean sabe o parto que foi pra sair esse álbum: ele confirmava uma data, surgiam rumores que estava quase lançando e… Nada! Em 2016 ele finalmente parou de nos iludir e veio com Blonde, que é amor do começo ao fim. Não consigo parar de ouvir!

Frank Ocean – ‘Nikes’ from DoBeDo Productions on Vimeo.

Bullet journal

Eu sou a desorganização em pessoa. Marco mais de um compromisso no mesmo dia e horário, esqueço de ir no médico, perco guias de exames, não consigo cumprir metas… Mas aí surgiu o bullet journal! Não vou entrar em detalhes porque precisaria de um post só pra isso, mas ele é uma espécie de agenda que você mesmo pode personalizar em qualquer caderno e adaptar de acordo com as suas necessidades. Aqui nesse post do Desancorando tem um passo a passo para você entender melhor.

Easy

Essa série da Netflix fala sobre amor e relacionamentos de uma forma bem natural e despretenciosa. Cada episódio é como se você estivesse vendo a vida de um dos seus amigos ou colegas de trabalho, por isso não espere grandes arcos de acontecimentos ou emoções hollywoodianas. Easy é como ver a vida passando na TV.

E vocês, o que recomendam pra gente? Digam nos comentários! 😉

Crise de pânico não é amadorismo

Na última terça-feira (4 de outubro) estreou a primeira edição do Masterchef: Profissionais. Diferente dos programas anteriores, a produção só aceitou competidores que já estudaram ou trabalharam na área e isso refletiu logo nas primeiras provas: desafios mais complexos, provas com mais pressão.

21227467

Durante uma das eliminatórias, a chef Paola Carosella percebeu que os competidores não dariam conta de fazer os dois menus a tempo e, então, chamou os melhores avaliados das provas anteriores (Ivo e Dário) para descer do mezanino e ajudar. Tudo naquele clima de correria, bagunça e gritaria que quem assiste o programa já conhece. A postura do Ivo acabou irritando a Izadora, uma das competidoras, a ponto de ela começar a chorar e perder completamente o ritmo da prova. Ela paralisou, não lembrava mais o que estava fazendo e teve dificuldade pra conseguir raciocinar.

izadora-masterchef-twitter-search-google-chrome_2 izadora-masterchef-twitter-search-google-chrome

“Que amadorismo, todo mundo sabe que a pressão em cozinha de restaurante é assim”, muita gente disse no Twitter. Chamaram ela de amadora, incompetente, sensível demais, fraca, mimada. Já eu fiquei assistindo aquilo tudo com um sentimento familiar demais de quem já passou por isso. E isso não é amadorismo, não é frescura. É uma crise de pânico. E já aconteceu comigo no trabalho, no meio de um shopping lotado, em casa, no meio da rua vazia. Por muito menos, ou até mesmo por motivos que nem eu mesma conseguia compreender.

Engraçado que a internet que ficou jogando pedras na Izadora é a mesma que até alguns dias atrás estava postando textão sobre Setembro Amarelo e disponibilizando inbox para os amigos deprimidos desabafarem (tenho muitas críticas a esse tipo de “ajuda”, inclusive, mas isso é assunto para outro dia).

No fim das contas, a Izadora foi eliminada. Com razão, claro, ela não conseguiu ajudar a equipe durante a prova. Mas isso, de forma alguma, significa que ela seja fraca ou que ela não seja capaz.