Que fique claro, não sou lixo

Esses dia eu compartilhei um texto da VICE (http://goo.gl/ZDFnm2) sobre um fenômeno que mais parece um enredo de filme de terror chamado “esquerdo-macho”. E meu amigo, o que teve homem se doendo com esse meu compartilhamento foi algo fora do normal, recebi até inbox.  Confesso que o texto foi, além de mal traduzido, escrito num contexto bem norte-americano, e por esse motivo o cenário traçado ali não se encaixava na realidade de terras tupiniquins.

Acontece que pouco importa o cenário, os hábitos e os gostos, o que interessa nesse texto é justamente o que esses caras estão fazendo com as meninas. O engraçado foi que todos os meninos que se ofenderam com o meu post e vieram se pronunciar sobre isso de alguma forma, fizeram isso com argumentos bobos, criticando justamente o que menos importava naquele texto. Por isso mesmo decidi escrever sobre esse problema bem como ele é no Brasil, que normalmente tem nome, sobrenome e RG.

Vamos começar pela expressão em si. Ela se refere, especificamente, ao rapazes que se consideram pessoas de cabeça extremamente aberta, apoiam políticas sociais, sem preconceitos ou julgamentos e até aí, tudo bem – até porque o mundo precisa muito de gente assim. Acontece que muitos deles se dizem pró-feministas (alguns até curtem páginas e criam playlists que defendem a causa) e é aí que mora o problema. Entendam, não me refiro a todos os caras nesse texto, de forma alguma, mas a um tipo específico. Esses meninos não sabem ficar sozinhos, mas também não querem um relacionamento sério – eles querem ter alguém ali, para sustentar o ego deles. Se eles deixassem isso muito claro e as duas partes concordassem, não teria problema algum. Mas é lógico que isso não acontece.

O cenário real é um cara que tem os gostos muito próximos dos seus se aproximar e começar a se fazer presente e, sem falar nada, o cara não quer nada com você. Você é um opção para ele enquanto ele gosta de alguma menina inatingível, magra, “famosa”, e que honestamente, não tá nem aí pra ele. Mas você tá, porque não tem a menor ideia de que, na verdade, você não significa nada pra ele – tudo isso porque o cara não deixou claro como as coisas eram para ele. Não, ele te deixa achar que você tem uma espécie de relacionamento com ele e isso é pesadelo. Esse tipo de pessoa te deixa em banho maria porque você é isso, você é uma segunda opção.

tumblr_nu4csewleq1sxyrnzo1_500

E como se tudo isso já não fosse o suficiente para você sofrer um absurdo, você ainda sai como a “louca do rolê”, porque esse cara é tão legal (pelo menos aparentemente), que ninguém acredita que ele trataria mal alguma menina. Acho que dá até pra incluir aqui um adendo, que são as justificativas dele quando confrontado:

Glossário:

– “Você é legal demais pra mim”. (nossa, desculpa mesmo por ser legal…)

– “Eu tô num momento muito ruim da minha vida”.

– “Eu não tô conseguindo me relacionar com ninguém”. (mas daí ele vai ele lá e fica com outra na sua frente, parabéns)

– “Não gosto de rótulos”. (essa é ótima demais)

Eu mesma tenho uma coleção dessas pérolas. E segue o baile.

Eu percebi isso quando uma menina puxou assunto comigo em um banheiro de balada e, em poucos minutos, muitas garotas se juntaram para reclamar do mesmo problemas: meninos que parecem muito legais, mas que tratam a gente feito lixo. É isso. Vocês podem achar ruim eu estar escrevendo isso e eu espero mesmo que vocês achem, porque é desse jeito que vocês nos fazem sentir: como lixo, descartável e sem valor. Péssimo, né? Então parem.

tumblr_nw7zcmmjud1sxyrnzo1_500

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *