Bem vindos ao nosso novo mundo

Ser mãe pra mim é a realização de um sonho. Desde que me conheço por gente sonhava isso e só depois de ter o meu filho consegui entender o porquê (se é que precisa explicar esse tipo de coisa). O principal motivo, é que queria sentir e dar esse amor incondicional que a maternidade proporciona na relação mãe e filho. Mas, na mesma intensidade (não proporção) que esse amor invade nossa vida, outras coisas não tão boas surgem junto.

Quando estamos com as crianças as coisas parecem fluir em outro tempo, outro ritmo. No começo são as madrugadas intermináveis, trocas de fralda, mamá esse ciclo sem fim. Haha Depois vem a introdução alimentar, o desfralde, a escola, as primeiras palavras (não necessariamente nessa ordem) tudo isso vai surgindo, a gente não se dá conta que o mundo do “lado de lá” continua e quando percebemos, tudo está diferente.

Algumas pessoas não estão mais no mesmo lugar, outras coisas perdem a graça e isso assusta um pouco.

Quando finalmente surge um tempo livre, paro para pensar no que quero fazer, quem gostaria de ver e essa decisão se resume, geralmente, no quão dispostos os outros estão para estar comigo. Aqui bate a realidade.  E isso falo de amigos, desde os mais próximos até os nem tanto assim, e também dos familiares.

Mas não estou aqui culpando ninguém e muito menos reclamando da minha vida. Apenas quero expor um sentimento que tenho certeza não é só meu, e eximir uma culpa que não sei porque nós, pais, achamos que é nossa.

Pois isso mamães, amigos e amigas de mamães (e dos papais também viu gente) entendam que há sim um período em que a nossa família ficará mais reservada, no entanto a mãe e o pai continuam sendo aqueles bons de papo, que gostam de uma festa, reunião com amigos, jogar conversa fora, etc. Eles só estão um pouco diferentes, é verdade, mas numa versão melhorada. Temos um novo mundo para apresentar para vocês, e queremos fazer isso.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *