O lado do aborto que não te interessa

Todo mundo quer ser contra o direito da OUTRA MULHER abortar…

Mas ninguém quer adotar a criança se ela for para um orfanato. “Não é problema meu” “Quem mandou abrir as pernas?” Com isso só fica evidente que os defensores da “vida” na verdade só são contra a sexualidade da mulher. Argumentam como se um filho fosse uma punição para fazer sexo (só a mulher, pq quando o filho, o irmão, o cunhado, o amigo abandonam uma mulher grávida usam vários argumentos para justificar, pedem que não julguem e que entendam o motivo: “homem é assim mesmo”).

Ilustração: Amanda Konishi

Gravidez não é punição, ter um filho é algo MUITO sério e exige responsabilidade). Um feto de até 12 semanas ((lembrando que isso é período máximo para um aborto, a ideia é que seja menos que isso) não é nem nunca sera um bebê, é um feto incompleto, um ser humano EM FORMAÇÃO. Se importar com isso mais do que com a vontade de uma mulher que já NASCEU é mesquinho.

O Brasil é um país retrógrado, fundamentalista, preconceituoso e que nunca vai pra frente pois falta empatia de um modo geral. Ninguém se importa com uma criança abandonada, ninguém se importa com uma mulher que não quer ter filhos (se a eficácia de cada método anticoncepcional não é 100%, dizer que só engravida quem quer é burrice pura.)

Não curte aborto, não faça. Chamar mulher que aborta de assassina é colocar tua religião na frente da liberdade das outras pessoas.

 

por Automatic Woman 

A lista da mulher que se cuida:

– Manicure;
– Pedicure;
– Unha de porcelana;
– Esfoliação;
– Hidratação;
– Depilação (sobrancelha, buço, axila, pernas, virilha e ânus);
– Clareamento anal;
– Clareamento dentário;
– Maquiagem;
– Maquiagem definitiva;
– Tintura no cabelo;
– Chapinha / Babyliss;
– Megahair;
– Alongamento de cílios;
– Permanente de cílios;
– Tintura de cílios;
– Micropigmentação;
– Bronzeamento artificial;
– Botox;
– Cremes para rugas, manchas, marcas de expressões, poros abertos;
– Bichectomia;
– Preenchimento labial;
– Preenchimento nas olheiras;
– Criolipólise;
– Dermaroller;
– Striat;
– Drenagem linfática;
– Acessórios (brincos, anéis, colares, cintos; pulseiras);
– Salto alto;
– Shakes;
– Limpeza de pele;
– Peeling;
– Plástica capilar;
– Cronograma capilar;
– Cronograma facial;
– Banho de creme;
– Plástica “íntima”;
– Silicone;
– Abdominoplastia.

Mas fiquem tranquilas que todo mundo AMA as mulheres, esse gênero tão belo ❤

O papel do desconstruídão no blacklash

Ele é incrível! Parceiro. Luta pelas minorias. Entende as pautas feministas e sabe decor vários pedaços da “cartilha” feminista.

Faz questão de falar para as amigas o quão diferente ele é, o quanto se irrita com os papos machistas do seu grupo masculino de amigos e como fica enfurecido e envergonhado com a forma que seus “conhecidos” tratam e se referem às mulheres.

Apóia a libertação sexual feminina, o fim do tabu acerca da nudez, o aborto e claro, o poliamor. Ah sim, acha o máximo mulher que “dá” no primeiro encontro e que ganha mais que ele. Até arrisca a piadoca marota do: “é bom que aí ela pode me sustentar, rsrsrs”.

Mas não se engane pois cedo ou tarde ele vai te explicar coisas que você já sabe, ignorar tuas ideias quando na frente de vários homens pensantes e descontruídões como ele, lembrar que existem exceções e que “mulher também”, citando prontamente casos isolados quando uma mulher reclamar de alguma dificuldade institucionalizada, sem se importar em tirar o foco da pauta (não chame de protagonismo pois ele odeeeia esse termo!) e obviamente ele vai dizer aos quatro ventos qual feminismo presta e qual “já é exagero”.

O pior é que esse tipo de cara ganha elogios o tempo todo, tem várias meninas aos pés (e usa isso da melhor forma possível.. pra ele mesmo). Usa o amor livre como desculpa para ignorar ou tratar com indiferença uma mina com a qual ele teve algum tipo de relação íntima e se você procurar bem até está em algum grupo de “caiu na net” do qual ele não sai por alguma desculpinha bem bosta.

Apenas tenha cuidado pois quando ele for abusivo ou machista contigo, ninguém vai acreditar afinal: ele é incrível!

Feminismo e empoderamento

Hoje em dia é comum ver feministas falarem de empoderamento no sentindo estético: “se empoderar é usar uma roupa e se sentir bela”, “passo uma maquiagem e saio me sentindo o máximo na rua”, “vou colocar prótese nos seios mas é para mim mesma, não para a sociedade: quero me sentir bonita e empoderada” e por aí vai e isso me entristece muito.

Entristece pois condiciona a felicidade e o empoderamento à aparência, entristece pois tem meninas que não tem dinheiro ou tempo para se emperequitarem, entristece pois o papel da maquiagem, do salto e das plásticas na alienação feminina passam a serem proibidos de se questionar, entristece pois o individualismo passa a ser mais importante do que o coletivo.

Muitas vezes esquecemos de pensar que para que um tipo de beleza se torne padrão é necessário que outro tipo seja considerado como feio, como incorreto: não há como padronizar gordas como belas sem que as magras passem a ser vistas como indesejáveis: se todos os tipos físicos forem aceitos, a necessidade de adquirir artifícios para se adequar passa a ser nula e a indústria da beleza passa a não ter por que existir.

Já pensaram que se você condiciona a tua felicidade e satisfação a estar se sentindo bonita toda vez que você estiver por algum motivo “feia” (aquele inchaço da TPM, as espinhas depois de comer algo fora, aqueles quilos a mais depois da semana Natal/Ano Novo, quando a base acaba e você tá sem grana, quando o cabelo não tá num bom dia, quando não deu tempo de passar na manicure, e a lista aqui pode ser infinita) não importa quem você seja, tua trajetória, o quão querida, inteligente, competente ou generosa você é pois você estará se sentindo um lixo? Você vai evitar sair de casa esses dias, evitar conhecer pessoas novas e no fundo no fundo, você inclusive acha que não merece ser feliz como punição por ser esse monstro horrível.

Sempre que há um papo sobre “se amar como você é”, ele gira em torno de maneiras de se vestir, maquiar ou portar para “evidenciar suas qualidades e esconder os defeitos. E aquela menina que realmente é fora de um padrão e que não há maquiagem que a torne bonita, como fica no teu conceito de empoderamento? Sei que vão perguntar: “ui, credo, agora não posso nem me maquiar nem me sentir bonita?”. Pode, claro que pode. Ninguém aqui é criança que precisa bater o pé simplesmente porque foi questionada.

Também sempre me questionam, já que é muito difícil sair da caixinha do pensamento comum: “ué, e o que seria empoderamento pra você?”. Bem, pra mim uma mulher empoderada é aquela que sempre busca conhecimento sobre o que defende: aquela que procura livros sobre o assunto, que respeita o que a coleguinha que pensa diferente diz, que abre a mente e não fica nos clichês dos textos e frases prontas de militância frívola de redes sociais. Empoderada é a mulher que depois de muito tempo de desconstrução sabe que não é menos porque não passou um rímel (ou porque passou), é a mulher que sabe reconhecer um relacionamento abusivo e que se oferece para ajudar aquela amiga que está numa situação difícil. Empoderada é a mulher que sabe responder quando um cara fala bosta para ela ou pra outra mulher, empoderada é a mulher que não fica presa numa argumentação pobre e que não tem medo de discordar de pontos de vistas de suas “musas” militantes.

Antes que venham com o clichê do elitismo: há muito material tão acessível e fácil de ler quanto um textão de facebook por aí. Peça indicações de livros e textos pra mulherada que tá na luta faz tempo. Você mesma agradece.

Netflix anuncia segunda temporada de Master of None

A Netflix anunciou a chegada de mais uma nova temporada de uma de suas séries originais: Master of None. Criada e estrelada por Aziz Ansari (você deve conhecer ele de Parks and Recreation!), a produção é uma comédia baseada em fatos reais do nosso dia a dia que não são muito explorados.

Entre os temas abordados estão o preconceito e estereotipização, fazendo o espectador questionar pequenas atitudes dentro de relacionamentos, família e trabalho que já estão enraizadas na sociedade. Tudo isso, fazendo jus ao trabalho já executado por Aziz Ansari em seus shows de stand up.

A segunda temporada de Master of None estreia no dia 12 de maio!

Devo deletar o ex da minha amiga das redes sociais?

Terminar um relacionamento não é fácil. Todos já passamos por isso ou ainda vamos passar, é fato. Mas a situação não é complicada somente para o casal, mas também para as pessoas que estão em sua volta, principalmente na era em que vivemos, na qual para que um relacionamento seja concreto precisamos mudar o status das redes sociais.

Tá, mas não é sobre isso que eu vim falar aqui, mas sim sobre uma questão de etiqueta social: o que fazer com as redes sociais dos ou das ex’s dos meus amigos? Continuo seguindo? Paro de seguir? Só cancelo o feed mas mantenho adicionado? Eu duvido que você nunca passou por uma situação parecida. Mas, para cada caso, uma condição diferente.

Eu não sou nenhuma expert em relacionamento, mas já pensei muito sobre isso, então vamos analisar três possibilidades:

1 – Você é muito amiga do ex da sua amiga, devo deletar?

Eu diria que não. Mas dentro desta possibilidade existem outras duas: a pessoa foi bem sacana com a sua amiga e você mais do que “tomou as dores” e não quer mais contato com uma pessoa assim; ou foi um término tranquilo, com mágoas, mas nada que indique uma falta de caráter. Nesse caso não é necessário, mas para o ex-casal, qualquer uma das decisões pode ser considerado como uma escolha de lado.

Então, cabe a você analisar essas questões. Vale colocar as amizades na balança e ficar do lado de quem saiu machucado ou tentar entender os dois lados, você não está errado em nenhuma das opções.

2 – Você conhece o ex da amiga, troca uma ideia, mas não tem uma amizade concretizada, devo deletar?

Não precisa. Essa pessoa provavelmente não faz diferença na sua vida, então estar ali não vai mudar em nada. Pode ser que a sua amiga peça para que você corte relações, então juntando esses dois fatos, reflita e aja pensando que a escolha é sua. Caso você delete e tombe com a pessoa por aí, nada impede que role um “oi, tudo bem, quanto tempo”.

3 – Conheço o ex da minha amiga bem pouco, mas ela pediu para não deletar para que eu stalkeie e repasse informações, devo deletar?

Sim, sim e SIM. Uma vez que as pessoas cortam relações, acredito que a melhor solução para a superação é manter zero contato. Todo mundo stalkeia, mas vamos combinar que a maioria dos stalks fazem mal. Então faça um favor para a sua amiga e delete o ex dela da sua vida. Não vai fazer diferença e você ainda está ajudando a sua amiga a seguir em frente. Esteja ao lado dela neste recomeço, a amizade é muito mais importante do que um simples contato no Facebook.

E você, o que acha? Já passou por alguma dessas situações? Compartilha com a gente, estamos curiosas para saber a sua experiência!

Cinco músicas pop das antigas que enaltecem o feminismo

Antes mesmo da internet se tornar popular e estar presente em todas casas, a gente dançava em cima do sofá ao som de clássicos do pop/rock assistindo MTV e Multishow, e ouvindo Jovem Pan. Muitas das músicas acabaram sendo esquecidas com o tempo, mas fazendo um esforcinho na memória, conseguimos lembrar e cantarolar com elas.

Geralmente não temos o costume de prestar muita atenção nas letras, principalmente em canções estrangeiras. Já deve ter acontecido com você: ouvir uma música que marcou sua adolescência e ficar em choque por não ter entendido a letra na época e agora perceber o quão significativas elas são.

Pensando nisso, resolvemos juntar cinco músicas que marcaram os anos 90 e 00 no mundo pop para a gente relembrar e analisar as letras.

1 – Christina Aguilera – Can’t Hold Us Down

Na sua melhor fase, Christina Aguilera quebra os padrões de “mocinha do pop” para lançar um álbum que deixa explícito o que, na verdade, todos os álbuns pop femininos tinham vontade de fazer, mas faziam de maneira subentendida: explorar a sexualidade, questionar o abuso, problemas de autoestima, entre outros. “Can’t Hold Us Down” questiona a fragilidade masculina e o motivo pelo qual as mulheres são constantemente julgadas.

“Então eu não posso ter uma opinião?
Devo ficar calada só porque sou uma mulher?
Me chama de vaca porque eu falo o que está na minha cabeça.
Fica mais fácil pra você quando eu só sento e sorrio?”

Tradução completa aqui.

2 – No Doubt – Just a Girl

Gwen Stefani usa “Just a Girl” para ironizar o patriarcado que diz o que ela deve ou não deve fazer, porque ela é “apenas uma garota pequena e bonita”.

Porque eu sou apenas uma garota, preferiria não ser
Porque eles não me deixam dirigir tarde da noite
Eu sou apenas uma garoa
Acho que sou algum tipo de louca
Porque eles ficam sentados me encarando com aquele olhar

Tradução completa aqui.

3 – Destiny’s Child – Independent Woman Part 1

O nome da música é autoexplicativo, mas a letra é muito mais que isso. Antes mesmo de a Beyoncé se tornar um ícone do empoderamento, a música tema de Charlie’s Angels já nos dava uma lição: “Eu dependo de mim”.

Diga como você se sente sobre isso
Faço o que eu quero, vivo como eu quero viver
Eu trabalhei duro e me sacrifiquei para conseguir o que consegui
Mulheres, não é nada fácil ser independente

Tradução completa aqui.

4 – TLC – Unpretty

“Unpretty” não é declaradamente uma música feminista, mas aborda questões que assombram as mulheres desde cedo: o padrão da beleza. Desde crianças ouvimos como devemos agir, como se comportar e como o nosso corpo deve ser, pois “homem não gosta de mulher assim”.

Mas se você não consegue olhar para dentro de si mesmo
Descubra quem eu sou
Para estar na posição de me fazer sentir
Estupidamente feia

Tradução completa aqui.

5 – Beyoncé – If I were a Boy

A música fala sobre a maneira na qual as mulheres são tratadas pelo parceiro, invertendo os papéis. “If I Were a Boy” deixa o questionamento de que as atitudes masculinas são “normais” e que se fôssemos homens, talvez entenderíamos. Beyoncé canta que ela faria questão de entender o outro lado, respeitaria e valorizaria, porém, eles são “apenas garotos”.

Se eu fosse um garoto
Eu desligaria meu telefone
Diria a todos que ele está quebrado
Então eles iriam pensar que eu estava dormindo sozinho
Me colocaria em primeiro lugar
E faria as regras pra seguir
Porque sei que ela seria fiel
Esperando que eu volte pra casa

Tradução completa aqui.