Feminismo e empoderamento

Hoje em dia é comum ver feministas falarem de empoderamento no sentindo estético: “se empoderar é usar uma roupa e se sentir bela”, “passo uma maquiagem e saio me sentindo o máximo na rua”, “vou colocar prótese nos seios mas é para mim mesma, não para a sociedade: quero me sentir bonita e empoderada” e por aí vai e isso me entristece muito.

Entristece pois condiciona a felicidade e o empoderamento à aparência, entristece pois tem meninas que não tem dinheiro ou tempo para se emperequitarem, entristece pois o papel da maquiagem, do salto e das plásticas na alienação feminina passam a serem proibidos de se questionar, entristece pois o individualismo passa a ser mais importante do que o coletivo.

Muitas vezes esquecemos de pensar que para que um tipo de beleza se torne padrão é necessário que outro tipo seja considerado como feio, como incorreto: não há como padronizar gordas como belas sem que as magras passem a ser vistas como indesejáveis: se todos os tipos físicos forem aceitos, a necessidade de adquirir artifícios para se adequar passa a ser nula e a indústria da beleza passa a não ter por que existir.

Já pensaram que se você condiciona a tua felicidade e satisfação a estar se sentindo bonita toda vez que você estiver por algum motivo “feia” (aquele inchaço da TPM, as espinhas depois de comer algo fora, aqueles quilos a mais depois da semana Natal/Ano Novo, quando a base acaba e você tá sem grana, quando o cabelo não tá num bom dia, quando não deu tempo de passar na manicure, e a lista aqui pode ser infinita) não importa quem você seja, tua trajetória, o quão querida, inteligente, competente ou generosa você é pois você estará se sentindo um lixo? Você vai evitar sair de casa esses dias, evitar conhecer pessoas novas e no fundo no fundo, você inclusive acha que não merece ser feliz como punição por ser esse monstro horrível.

Sempre que há um papo sobre “se amar como você é”, ele gira em torno de maneiras de se vestir, maquiar ou portar para “evidenciar suas qualidades e esconder os defeitos. E aquela menina que realmente é fora de um padrão e que não há maquiagem que a torne bonita, como fica no teu conceito de empoderamento? Sei que vão perguntar: “ui, credo, agora não posso nem me maquiar nem me sentir bonita?”. Pode, claro que pode. Ninguém aqui é criança que precisa bater o pé simplesmente porque foi questionada.

Também sempre me questionam, já que é muito difícil sair da caixinha do pensamento comum: “ué, e o que seria empoderamento pra você?”. Bem, pra mim uma mulher empoderada é aquela que sempre busca conhecimento sobre o que defende: aquela que procura livros sobre o assunto, que respeita o que a coleguinha que pensa diferente diz, que abre a mente e não fica nos clichês dos textos e frases prontas de militância frívola de redes sociais. Empoderada é a mulher que depois de muito tempo de desconstrução sabe que não é menos porque não passou um rímel (ou porque passou), é a mulher que sabe reconhecer um relacionamento abusivo e que se oferece para ajudar aquela amiga que está numa situação difícil. Empoderada é a mulher que sabe responder quando um cara fala bosta para ela ou pra outra mulher, empoderada é a mulher que não fica presa numa argumentação pobre e que não tem medo de discordar de pontos de vistas de suas “musas” militantes.

Antes que venham com o clichê do elitismo: há muito material tão acessível e fácil de ler quanto um textão de facebook por aí. Peça indicações de livros e textos pra mulherada que tá na luta faz tempo. Você mesma agradece.