O papel do desconstruídão no blacklash

Ele é incrível! Parceiro. Luta pelas minorias. Entende as pautas feministas e sabe decor vários pedaços da “cartilha” feminista.

Faz questão de falar para as amigas o quão diferente ele é, o quanto se irrita com os papos machistas do seu grupo masculino de amigos e como fica enfurecido e envergonhado com a forma que seus “conhecidos” tratam e se referem às mulheres.

Apóia a libertação sexual feminina, o fim do tabu acerca da nudez, o aborto e claro, o poliamor. Ah sim, acha o máximo mulher que “dá” no primeiro encontro e que ganha mais que ele. Até arrisca a piadoca marota do: “é bom que aí ela pode me sustentar, rsrsrs”.

Mas não se engane pois cedo ou tarde ele vai te explicar coisas que você já sabe, ignorar tuas ideias quando na frente de vários homens pensantes e descontruídões como ele, lembrar que existem exceções e que “mulher também”, citando prontamente casos isolados quando uma mulher reclamar de alguma dificuldade institucionalizada, sem se importar em tirar o foco da pauta (não chame de protagonismo pois ele odeeeia esse termo!) e obviamente ele vai dizer aos quatro ventos qual feminismo presta e qual “já é exagero”.

O pior é que esse tipo de cara ganha elogios o tempo todo, tem várias meninas aos pés (e usa isso da melhor forma possível.. pra ele mesmo). Usa o amor livre como desculpa para ignorar ou tratar com indiferença uma mina com a qual ele teve algum tipo de relação íntima e se você procurar bem até está em algum grupo de “caiu na net” do qual ele não sai por alguma desculpinha bem bosta.

Apenas tenha cuidado pois quando ele for abusivo ou machista contigo, ninguém vai acreditar afinal: ele é incrível!